quarta-feira, 18 de maio de 2011

<< você



Pra sonhar - Marcelo Jeneci

Quando te vi passar fiquei paralisado
Tremi até o chão como um terremoto no Japão
Um vento, um tufão
Uma batedeira sem botão
Foi assim viu
Me vi na sua mão
Perdi a hora de voltar para o trabalho
Voltei pra casa e disse adeus pra tudo que eu conquistei
Mil coisas eu deixei
Só pra te falar
Largo tudo
Se a gente se casar domingo
Na praia, no sol, no mar
Ou num navio a navegar
Num avião a decolar
Indo sem data pra voltar
Toda de branco no altar
Quem vai sorrir?
Quem vai chorar?
Ave maria, sei que há
Uma história pra sonhar
Pra sonhar
O que era sonho se tornou realidade
De pouco em pouco a gente foi erguendo o nosso próprio trem,
Nossa Jerusalém,
Nosso mundo, nosso carrossel
Vai e vem vai
E não para nunca mais
De tanto não parar a gente chegou lá
Do outro lado da montanha onde tudo começou
Quando sua voz falou:
Pra onde você quiser eu vou
Largo tudo
Se a gente se casar domingo
Na praia, no sol, no mar
Ou num navio a navegar
Num avião a decolar
Indo sem data pra voltar
Toda de branco no altar
Quem vai sorrir?
Quem vai chorar?
Ave maria, sei que há
Uma história pra contar


Por menos que nós mereçamos, ainda te sinto necessário. 
Imprescindível para meu corpo. Necessário para meu auto-controle.
Por mais idiota que seja esta relação, sinto necessidade de alimentá-la.
Fazer crescê-la por todos os lados, rente e por entre a pele.
Por menos confiável que seja a sua índole, ou a minha constância; eu ainda acredito.
Planejar o impossível e relembrar o que nem aconteceu, qualquer coisa que me aproxime da sua projeção.
Por mais distante e ilógico que seja esse protótipo de ser que eu criei e chamei de você, me aflige.
Mexe com cada célula, com cada glândula - e você se aproveita.
Por menos confiáveis que sejam minhas certezas, preciso de você hoje.
Não sei se amanhã, mas hoje eu te amo da forma imperfeita que sei amar.
Por mais irreal que seja isso que eu chamo de amor, por mais distante que isto esteja da sua realidade.
Por menos louvável que sejam esses escritos, por menos saudável que seja eu alimentar essa obsessão,
Estou aqui mais uma vez. Sendo assombrada pela sombra do que você poderia ser - mas não é.
Eu amo e preciso, de alguém que construí a partir de você. Com cacos de quem você foi, com seus dentes, boca e cabelos; E ainda me alimento de um mero rascunho de quem você poderia ser.
ALDREYCKA

3 comentários:

Jana disse...

Nossa.... esse texto, mostra uma entrega total.....
gostei.....

bjos

Iêda disse...

Ai, ai, ai... Já vi tudo.
Hoje é mais um dia daqueles, né amiga?

Beijos

Drêycka disse...

hahah Ontem foi. Tu sabe como é, né, amiga? Carma. hehehe

Um dia eu fico sarada disso tudo.

; )