quarta-feira, 9 de junho de 2010

>> alforria compulsória


"Como posso agora te culpar?
Fui eu quem quis te encontrar
Me joguei no escuro sem pensar
Errei, deixei-me levar"
LADO ERRADO - Victor e Léo
Talvez ele tenha subestimado meus sentimentos, mesmo... Mas é provável que eu tinha passado da conta com minhas projeções. Não que as tais declarações dele mudaram completamente o rumo da minha vida. Tanto que eu já sei viver sem ele faz tempo, e já tinha percebido e me conformado com essa minha alforria compulsória. Não que eu esteja me queixando de mais uma vez escutar as estupidez dele, não que eu tenha me magoado com tudo o que ele disse. Talvez simplesmente, meus tempos de masoquismo estejam contados. Quem sabe meu coração anestesiado esteja começando a dar sinais de dor depois de todo o espancamento que levou nesses anos. Ou apenas eu esteja fazendo tempestade em copo d’água por uma pessoa que nunca mereceu nem um vintém. Ou eu esteja colhendo as conseqüências de ter dado de bandeja o meu coração para alguém, tão inconsequentemente, tão despretensiosamente, tão irresponsavelmente... E após tantas canções melancólicas, textos esdrúxulos e conversas vazias, eu me encontre perdida sem saber que rumo seguir, agora que eu não tenho mais a sombra dele para me esconder. Só me resta me irritar profundamente por estar escrevendo a enésima lástima sobre este ser desprezível. A vida às vezes parece ter um humor sádico ácido para comigo.


Aldrêycka Albuquerque

3 comentários:

Luciana disse...

Sabe que eu te entendo?
Mesmo eu não querendo mais,sabendo que nada vai mudar,que mesmo que eu tentasse mais uma vez,só iria sofrer mais...as vezes me pego pensando nele,com saudades.Mais de que?
Muito estranho!!!!

Raysla Camelo disse...

Repetir é bom. Assim seu coração não se esquece.
Talvez.

=)

mari disse...

Em mim parece que a ferida ainda queima