terça-feira, 3 de junho de 2008

Amor, Destino, Acaso, Oportunidades e muito Chocolate


Fortune



Hoje tive uma discussão com minhas amigas, o tema era Destino. Quem acredita? Quem na verdade, sabe o que é? Às vezes confundido com o acaso, ou apenas com as oportunidades que a vida nos dá, mas ninguém nega que existe sim, alguma coisa que fez você estar onde está ou te moveu a fazer o que fez.
Para ser mais clara: exemplos!!

Vocês já tiveram curiosidade em perguntar como aquele casal de velhinhos vizinhos seu se conheceram? Já perguntaram como seus pais se conheceram? Muitas vezes nos deparamos com histórias dignas de Oscar para melhor enredo, são contos do tipo “se eu não tivesse perdido aquela carona, nunca conheceria ela” ou “eu não estava muito afim de ir àquela festa, mas fui. Foi a coisa mais certa que eu fiz, conheci ele.” Sempre o acaso, se é que posso chamar assim, está presente nessas lindas (porém poucas) histórias de amor que vemos por aí. Mas se é assim, por que tanta gente vive por aí sem grandes amores? Sem paixões arrebatadoras, sem querer “morrer de amor” nem nada? Seria este tipo de amor arrebatador exclusividade para alguns?

É bem aí que fica a caixa de pandora, o mistério da ilha de Lost (haha). Quem é que pode ter um amor de novela e quem não pode?

Uma vez num fechamento de uma novela dessas da Globo, me chamou a atenção a história (verídica) que uma velhinha contava. Com os olhos cheios de lágrimas, derramando uma por uma, sem muita pressa, ela contava como havia conhecido seu marido, agora já falecido. Ela detalhava até o clima daquela tarde que ela o viu pela primeira vez, ao passar pela rua. Contava como ele estava vestido e até frisava o cabelo desgrenhado, os olhos azuis exuberantes. Ela falava com tanto amor daquele homem que nem parecia ter sido o mesmo que ela conviveu por tantas décadas (com menos que isso talvez eu e você já tivéssemos enjoado).

OK, mas então onde fica o destino (ou acaso, sei lá)? Simples: e se ela tivesse escolhido ir pela outra rua? E se ela nesse dia não tivesse saído de casa? Talvez ela nunca teria conhecido o amor da sua vida. Mas será?!

São esses casos e acasos que me deixam curiosa, será que eu estou fazendo as escolhas corretas? Às vezes até me sinto como uma ratinha correndo num labirinto, cada corredor que eu escolho é a possibilidade de um destino diferente, mas será que um dia vou esbarrar com a saída?

Como já disse aqui, não acredito em destino, nada está predestinado. Mas ainda acho que nada na vida é por acaso. Por mais contraditório que isso possa soar é no que eu acredito. Muitos agora podem dizer que eu na verdade acredito no destino só não quero admitir isso. Será? Sinceramente, eu não acho que só teremos um amor na vida, não acho que só seremos felizes de um jeito. Mas sinceramente? Acho que só amaremos de um jeito especial determinada pessoa e só seremos felizes de verdade de um jeito apenas, é como se no labirinto achássemos várias coisas boas, mas de repente você pode encontrar o prêmio que dentre todos é melhor. Talvez aí explique tantos amores incomparáveis a outros. Não que em todos os casos existam amor, existe sim, sem sombra de dúvida. Mas neste outro caso raro, o amor parece ser mais puro, mais intenso. Pra quem acredita em vidas passadas e alma gêmea, poderia dizer que eles sentem uma atração que não parece ser desta vida, como se no passado já tinham uma ligação. Bem, eu não acredito em espiritismo, pra mim esse argumento não é válido, mas é uma boa forma de explicar a grandeza da ligação dessas pessoas.

Enfim, o que eu tento dizer é que às vezes nos deparamos com tantos tipos de amor... Uns que sofrem em nome dele, outros que batem também, outros que traem... Mas todos amam?! Ou mais simples, pessoas que se amam e se gostam por toda uma vida, mas todos percebem que parece faltar algo, como o sal ou a pimenta. Quarenta anos de casamento e nenhuma pimentinha, nenhum sal, nenhum sazon!! Nossa, quanta acomodação!

Pois eu não desisto até sentir o feeling certo. Como nos filmes de romance, não desisto até sentir as borboletas no estômago. Até sentir os beijos dele no interior da alma. Até sentir o mundo parar quando ele fala. Até entender que os defeitos existem, as virtudes também, mas ter a certeza de que o amor supera tudo. Até viver um sentimento bem maior que este nosso amor comercial que é tão divulgado nos dias de hoje pela mídia, principalmente nos dias dos namorados (este vai merecer um post exclusivo depois).

Porém, tudo o que eu estou falando aqui pode ser a maior babozeira vista na história da blogosfera. Talvez tudo não passe de acaso, nossa vida na realidade é como um joguinho tipo “jumanji” que alguém vez ou outra joga os dados e lança a nossa sorte. Talvez. Mas não é o que eu acredito. Talvez também, tudo não passe de oportunidades, como se ela vez por outra batesse a nossa porta, janela, e se estivermos espertos, abrimos e a deixamos entrar. Senão abrirmos, tudo zera, e volta do começo, ela volta a te perseguir. Bem, também não me convence, muito crônico, muito... “folclórico”.

O que enfim eu acho? Bem, acho que temos o poder de fazer nossas escolhas e definir nosso destino, mas existem poderes além dos nossos que nos regem na escolha de determinado caminho. Eu poderia chamar estes poderes de uma “colher de chá divina”. Uma oportunidade que Ele te dá de ser ainda mais feliz, se você estiver esperto, aproveita. Mas a grande diferença está aqui: isto não quer dizer que você não possa encontrar a felicidade por outros caminhos, de forma autônoma, quem sabe. Xi, acho que na verdade eu estou é confusa.

Alguém aceita um chocolate?

"Meu coração não se cansa
De ter esperança
De um dia ser tudo o que quer
Meu coração de criança
Não é só a lembrança
De um vulto feliz de mulher...
Que passou por meus sonhos
Sem dizer adeus
E fez dos olhos meus
Um chorar mais sem fim
Meu coração vagabundo
Quer guardar o mundo
Em mim!"

Coração Vagabundo - Ana Cañas

4 comentários:

''[G]ü[R]ÿ disse...

dreycka... kero ver sim o post de quinta ein.. hehehe... kero ter essa "amostrinha".. huashduashua

e sobre o post de hj: pelamordedeus qnta coisa!!!!... pareceu desatar a enrolação sobre se acredita ou não em destino. (até pior q o detalhamento da maluh.. kkk)
mas se bem q entendi o q vc quis dizer. eu tb penso assim. Não acredito que tudo já está escrito, porém alguns acasos e coincidencias fazem com q a vida seja mais um filme como "efeito borboleta" onde um ato gera multiplas consequencias adversas.

será agora que eu estou te confundindo? Ahh... acho q é reflexo do seu confundimento para o leitor durante esse post!

a frase que me marcou foi: "Será que tudo que escrevi pode ser a maior babozeira vista na história da blogosfera!!" .. kkkkkkk... gostei..

volto aki dps pra conferir a 'amostra'.

bjs..

fui

Mary West disse...

Opa! Seu blog é delicioso de ler, seus textos possuem a capacidade de prender os visitantes. Eu sinceramente naum sei se acredito em destino, acho q ele pode ser mutavel talvez, que apenas o inconformista possui a capacidade de escrever sua propria historia. ;)

André disse...

aaaaaaaaaaaaaah!
eu sempre digo 'colher de chá divina'!
;)
não acredito muito em destino... acho que tudo está predestinado, ou coisa parecida...

Bella... disse...

não dá é pra ficar em casa, sem ver gente. Sem ver as coisas acontecendo.